Lamento espiritual


O lamento espiritual genuíno pelo pecado é obra do Espírito de Deus. Arrependimento é uma flor preciosa para crescer no jardim da natureza. As pérolas crescem naturalmente nas ostras, mas a penitência nunca se mostra nos pecadores, a menos que a graça divina opere neles: “A tristeza segundo Deus produz arrependimento” (2Co 7.10).

Se você tem uma partícula de verdadeiro ódio pelo pecado, foi Deus quem a compartilhou, pois os espinhos da natureza humana nunca produziriam um único figo. “O que é nascido da carne é carne”.

O verdadeiro arrependimento tem uma referência distinta ao Salvador. Quando nos arrependemos do pecado, devemos ter um olho sobre o pecado e outro sobre a cruz, ou será melhor ainda se fixarmos ambos os olhos sobre Cristo e vermos somente nele nossas transgressões à luz do seu amor.

A verdadeira tristeza pelo pecado é eminentemente prática. Nenhum homem pode dizer que odeia o pecado, se vive nele. O arrependimento faz-nos ver o mal do pecado não apenas como uma teoria, mas experimentalmente – como uma criança queimada tem medo do fogo. Seremos tão receosos dele, como um homem que recentemente foi abordado e roubado tem medo do ladrão na rua ou na estrada; evitaremos – em todas as coisas – não somente nas grandes coisas, mas também nas pequenas, como um homem evita tanto uma pequena víbora com as grandes serpentes.

O lamento verdadeiro pelo pecado fará com que sejamos muito zelosos da nossa língua, para que ela não venha a dizer uma palavra errada; manteremos muita vigilância sobre as ações diárias, para que não tropecemos em qualquer coisa. Cada noite, encerraremos o dia com dolorosas confissões de nossas deficiências; e, cada manhã, despertaremos com orações ansiosas a fim de que durante o dia Deus nos fortaleça para que não pequemos contra Ele.

O arrependimento sincero é contínuo. Os crentes arrependem-se até o dia da sua partida deste mundo. Este gotejamento não é intermitente. Uma ou outra tristeza cede com o tempo, mas a tristeza preciosa cresce com o nosso crescimento, e é com um doce amargor que agradecemos a Deus permitir-nos desfrutá-la e sofrê-la que entremos em nosso descanso eterno.

Por C. H. Spurgeon
(Extraído do Site Charles Raddon Spurgeon)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s